21/04/2013 - 7:06 pm

Fundo de Quintal “Samba É No Fundo De Quintal” (1980)

Gravadora: RGE 308.0094 - Ano:1980 - Produtor: Durval Ferreira - Observação: Grupo Fundo de Quintal: Bira / Ubirany / Jorge Aragão / Sereno / Almir Guinéto / Neoci / Nemézio

Álbum completo - 12 faixas - 39 min

Álbum: Samba É No Fundo De Quintal, Fundo De Quintal - 1980
  1. VOCÊ QUER VOLTAR
    (Pedrinho da Flor - Gelcy do Cavaco)

    você quer voltar
    mas não lhe darei perdão
    eu, não posso perdoar
    a quem magoou meu coração

    se você me ouvisse não aconteceria
    entre nós essa ingrata separação
    mas você insistiu em fazer tudo errado
    e com isso acabou a nossa união

  2. SOU FLAMENGO, CACIQUE E MANGUEIRA
    (Luiz Carlos)

    sou Cacique sou Mangueira
    deixa falar quem quiser
    moro na linha do trem
    sou Flamengo também
    trago samba no pé
    sou eu que enfeito a avenida
    carrego a massa e fico prosa
    durante o dia de vermelho, preto e branco
    de noite de verde e rosa

    isso é que é viver
    é o meu prazer
    é ver o mengo campeão
    o Cacique e a Mangueira na avenida
    e chamando a multidão mais uma vez
    uma vez Flamengo, sempre Flamengo
    Flamengo sempre eu ei de ser
    sou Cacique, sou Mangueira
    e Flamengo até morrer

  3. PRAZER DA SERRINHA
    (Tio Hélio - Rubens da Silva)

    qualquer criança
    toca um pandeiro, um surdo e um cavaquinho
    acompanha o canto de um passarinho
    sem errar o compasso
    quem não acreditar
    poderemos até provar,
    podes crer, porque
    nós não somos de enganar,
    melodia mora lá
    no prazer da Serrinha!

    se você for na Serrinha,
    na segunda-feira devo estar por lá
    estarei cantando o meu pagode
    e lá você pode se a turma encontrar
    curtindo a Serrinha na segunda-feira
    enchi minha cara de cachaça
    mas fiquei contrariado, cumpadre
    não encontrei o restante da massa

    qualquer criança…

    lá no morro da Serrinha
    onde nasceu o Império
    saiba lá tem gente bamba
    que cantando samba é um caso sério
    lá no Morro da Serrinha, cumpadre
    colocaram uma estátua de bronze
    porque já faz quinze dias
    que eu dei no valente lá da Praça Onze

    qualquer criança…

    trago uma grande lembrança
    de quando em criança eu bem criancinha
    guardo na minha memória
    a fama e a glória da velha Serrinha
    tira o Mestre Fuleiro da frente
    imediatamente que eu quero passar
    eu quero avistar a Serrinha
    numa noite linda cheia de luar

    qualquer criança…

    se você for na Serrinha
    por favor não leve a mal
    vê se respeite as cores
    da coroa imperial
    ontem eu fui lá na Serrinha
    Serrinha tamarineira
    me fez lembrar Dona Ivone
    mestre Silas de Oliveira

    qualquer criança…

  4. OLHA A INTIMIDADE
    (Almir Baixinho - Diogo)

    olha a intimidade
    mais amor e menos confiança
    olha a intimidade
    me respeita, eu não sou mais criança
    e deixa de lado ou cai do cavalo contigo eu aposto
    olha a intimidade
    respeito é bom e por isso eu gosto

    toda vez que você
    vê meu cigarro na mesa do bar
    não me pede licença
    vai logo apanhando
    e começa a fumar

    e não satisfeito
    na cara de pau
    toma a minha cerveja
    olha a intimidade
    ou passa vergonha
    se é o que deseja

  5. VOLTA DA SORTE
    (Almir Guinéto - Luverci Ernesto)

    saiu do serviço encontrou os amigos
    jogou e bebeu até altas horas
    a volta da sorte que foge é difícil
    perdeu o salário, o que fazer agora
    aluguel tá vencido, a luz e a água
    as compras do mês, remorso lhe devora
    tomou mais um trago, pensou na família
    na escola da filha, senta e chora
    lalaiá…

    jurou pra si mesmo, nunca mais hei de jogar
    no bar não vou passar
    vou viver, sem beber, sem jogar
    mentiu pra mentira, é o velho e bom freguês
    pois sabe que amanhã
    vai beber, vai jogar, vai perder outra vez

  6. MARIDO DA MADAME
    (Luiz Carlos - Beto sem braço)

    fui engraxate, carpinteiro e motorista
    último membro da lista,
    daquela rica mansão
    apaixonado pela linda empregadinha
    óh meu deus que sorte a minha
    com a morte do patrão

    (eu sou o marido da madame)

    dinheiro não traz felicidade
    mas ajuda qualquer um ser sofredor
    fui feliz nessa vida eu precisava,
    que azar da empregada
    ter perdido o seu amor,
    mas uma coisa podes crer
    ela vai ser a patroa
    se a madame falecer

  7. BATE NA VIOLA
    (Dida - Everaldo da Viola)

    bate na viola
    quero ver bater
    bate na viola
    até amanhecer

    bate no bordão, bate na prima
    quero ver essa menina requebrando
    porque isso me consola
    toque violeiro sem cessar
    que eu quero ver ela sambar
    ao som da sua viola

  8. GAMAÇÃO DANADA
    (Neguinho da Beija-Flor - Almir Guinéto)

    e gamação danada, é triste ver você
    fazendo morada dentro do meu peito
    deixando imperfeito o meu viver

    gamação palavra que soa indelicada
    mas é única forma adequada
    que justifica o meu penar
    amar da maneira que amo não é mais amar
    chorar por você como eu choro não é mais chorar
    é derramar um arsenal de lágrimas
    é me sentir o mais infeliz dos mortais
    você é minha desventura
    vou lhe querer com loucura
    conheço o sofrimento e nada mais

  9. LÁ NO MORRO
    (Almir Baixinho - Dona Fia - Marujo)

    lá no morro quando eu olho pra baixo
    acho a cidade uma beleza
    e quando estou na cidade que eu olho pra cima
    fico contemplando a natureza

    lá no meu barracão
    quando chove é uma agonia
    carrego o colchão e coloco a bacia
    a nêga reclama mas ela me ama
    pois sabe que eu sou seu melhor companheiro
    e assim vou vivendo alegre e contente
    lá no meu salão

  10. BAR DA ESQUINA
    (Jorge Aragão - Jotabê)

    não, não tem mais jeito
    melhor é dizer adeus

    você com sua crença
    sua presença e ostentação
    seu chopp escuro, bem reservado
    nos bares sofisticados
    com sua discriminação

    já eu sou madrugada,
    é tudo e nada,
    é flor e espinho
    sou mais uma cerveja
    no bar da esquina
    com meus amigos

    prefiro meu pagode
    pulsando forte
    bem lá no fundo do quintal
    eu gosto é de sentir a poesia
    mas em sua companhia
    só no outro carnaval

  11. VOLTAR A PAZ
    (Sereno)

    que tal vamos chegar a conclusão
    voltar a paz, a união
    e reviver nossa paixão
    eu e você na primavera que virá
    um novo ninho decorar
    novas cenas de amor sei que vamos achar
    que tal….

    perfume das rosas eu quero sentir
    na pujança do amor que eu tanto pedi
    a natureza que fez você mulher
    em meus braços fazer o que antes não fiz
    esquecer o passado que foi infeliz
    e ter você pra sempre como eu quis

  12. ZÉ DA RALÉ
    (Almir Baixinho - Diogo)

    certo dia, o Zé da Ralé resolveu ser bacana
    fez uma festa, chegou bem rapidinho em copacabana
    camisa xadrez, em seu corpo há um mês
    calça pescando e mal remendada
    seu “pisa” estava sem graxa e com a sola furada

    resolveu paquerar uma granfina encostada no muro
    nem se quer lhe passou pela cuca que estava duro
    de saída veio tu se manca, se enxerga, etc e tal
    e de quebra levou um direto no meio do frontal

    caiu, ficou estirado no meio da lona
    quem nasce pra dividir na vida nunca soma
    aqui vai um velho conselho para o Zé da Ralé
    o jeito é se conformar com o que na vida é