24/05/2011 - 5:00 pm

Cleber Augusto

 

Nascido no Rio de Janeiro criado em Ramos, Cleber Augusto (4/8/1950) iniciou sua carreira como músico violonista na década de 70. Influenciado já na sua adolescência por grandes músicos e artistas como: Manuel da Conceição, Baden Powel, João Bosco entre outros. Atraído então por ritmos genuinamente brasileiros, Bossa Nova, MPB, Chorinho e Samba, esses rítmos o levaram para os palcos da vida, onde teve oportunidade de montar uma banda com amigos do bairro e participar de festivais, quando numa destas participações, foi convidado a ser músico de uma dupla da Jovem-guarda (Lene e Lilian). Ao encerrar seu trabalho com a dupla resolveu cursar Faculdade de Arquitetura, deixando a Música em segundo plano. Se formou mais não resistiu, pois a arte musical realmente o seduzia. E no começo dos anos 80 ele volta com força e determinação definitivamente para o mundo do samba. Cleber Augusto se lança como compositor no Berço de Bambas do Cacique De Ramos por onde passaram e se consagraram vários autores e artista do nosso verdadeiro samba.

Cleber Augusto
Cleber Augusto

Ouças alguns dos principais sambas de autoria de Cleber Augusto na “playlist” abaixo, ou cada samba individualmente no final do post, com suas respectivas letras.

  1. Minhas andanças (Cleber Augusto e Jorge Aragão; por Fundo de Quintal)
  2. Amor não é por aí (Arlindo Cruz, Cleber Augusto e Sombrinha; por Sombrinha)
  3. A Amizade (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; por Fundo de Quintal)
  4. Brasil Nagô (Cleber Augusto, Djalma Falção e Mário Sérgio; por Fundo de Quintal)
  5. Deixa estar (Cleber Augusto; por Dudu Nobre)
  6. Fera no cio (Bicudo, Cleber Augusto, Djalma Falcão e Jorginho Chinna; por Fundo de Quintal)
  7. Atalho (Cleber Augusto, Djalma Falção e Jorge Aragão; por Luizinho SP)
  8. Lucidez (Cleber Augusto e Jorge Aragão; por Beth Carvalho)
  9. Quantas canções (Cleber Augusto e Djalma Falção; por Fundo de Quintal)
  10. Nem lá, nem cá (Cleber Augusto e Nei Lopes; por Fundo de Quintal)
  11. Romance dos astros (Bandeira Brasil, Cleber Augusto e Luiz Carlos da Vila; por Fundo de Quintal)
  12. Guadalupe e Sulacap (Cleber Augusto e Nei Lopes; por Fundo de Quintal)
  13. Divina luz (Cleber Augusto, Mauro Diniz e Sereno; por Fundo de Quintal)
  14. Timidez (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; por Fundo de Quintal)
  15. Falso herói (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; por Fundo de Quintal)
  16. Cleber Augusto
    Cleber Augusto

    Depoimento de Mário Sérgio, parceiro de Cleber no Fundo de Quintal

    “Durante esses mais de não sei quantos anos que nos conhecemos nos pagodes do Cacique e principalmente nos meus dezoito anos de Fundo de Quintal, digo que é uma pessoa especial, engraçada e amigo de todos. Cleber passou a ser componente do Fundo de Quintal no ano de 1983 no cd Nos pagodes da vida. Conheci o Cleber em Ramos, bairro onde eu morava no Rio de Janeiro, na área da Leopoldina onde se encontra o Cacique de Ramos e a Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense e também coincidentemente o bairro onde Neoci morava. Depois de alguns anos Cleber se mudou para a ilha do Governador (onde também morei), onde morou por muito tempo. Muitas vezes no encontrávamos pelas bandas da Escola de Samba Ilha do Governador ou pelos próprios bares e botecos da Ilha, além dos pagodes no morro do Dendê e do Bananal.

    Já conhecia sua família. Pais, primos, tios, amigos e principalmente seus irmãos que eram meus amigos de esporte de longa data, pois serviam na área de educação física da Aeronáutica e eu como atleta do Corpo de Fuzileiros Navais, ficava no CEFAN, e sempre nos encontrávamos nas competições de atletismo no Maracanã no estádio Célio de Barros. Em nossa vida de grupo, não me recordo de não termos passado um final de semana juntos fazendo shows pelo Brasil e tantos outros lugares e as vezes, essa semana começava a partir de quinta feira só regressávamos ao Rio na segunda pela manhã ou as vezes nem voltando.

    httpv://www.youtube.com/watch?v=YynvVUC2p3Y
    Samba: Minhas andanças por Cleber Augusto

    O compositor

    Para se entender melhor o Cleber é preciso primeiro saber o que ele é e para se conhecer um compositor como ele, é preciso conhecer e entender as suas obras, as suas músicas.

    E se você ainda não prestou atenção em suas letras, em suas melodias, e em sua interpretação, não irá o entender. Cleber é simplesmente aquilo que escreve em suas músicas.

    Eu que ficava a poucos passos dele nos shows na mais duradoura formação do Fundo, percebia seus olhos com lágrimas ao interpretar suas músicas, pena que o público não tinha o meu ângulo.”

    Mário Sérgio

    Depoimento retirado do Site Oficial de Mário Sérgio.

    Cleber Augusto
    Cleber Augusto

     

    1. Minhas andanças

      (Cleber Augusto e Jorge Aragão; voz: Fundo de Quintal)

      Eu não sei o que é que eu vou dizer
      Quando chegar, que o sol raiar
      Você brigar, por me esperar, me censurar
      Dessa vez coberta de razão, muitas vezes eu justifiquei
      Porque tardei, por onde andei, o que passei e o que nem sei
      Era fácil você me entender
      Sempre tardei para chegar da boemia
      Hoje bem sei, dos limites passei, folia
      Entre umas e outras
      Muitas conversas as soltas e sempre uma saideira
      Assim foi a noite inteira
      Hoje eu vou admitir que estou errado
      No que passou vou me sentir culpado
      Aceite as minhas desculpas por essas noitadas malucas
      Tenhas um bom coração só peço compreensão

    2. Amor não é por aí

      (Arlindo Cruz, Cleber Augusto e Sombrinha; voz: Sombrinha)

      Quando circular o matutino
      Vou provar que o seu menino
      Não é tão levado assim, ah…..
      Olha que a gente só trabalha
      E não é fogo de palha
      Um pandeiro e um tamborim não…

      Amor, não e por aí, você vive a brigar
      Vivemos na corda bamba,
      Mas amanhã eu vou mostrar
      E os jornais vão publicar meu novo samba

      Vai ser um samba que vai dar o que falar
      Meu samba novo todo mundo vai cantar e vai gostar
      E quando falar de amor, uma canção popular
      Faz muita gente sorrir, faz muita gente chorar
      Lá vai meu samba por aí a emocionar
      Mostrando ao povo que ele veio pra ficar

    3. A Amizade

      (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; voz: Fundo de Quintal)

      Amigo, hoje a minha inspiração
      Se ligou em você
      E em forma de samba
      Mandou lhe dizer
      Tâo outro argumento
      Qual nesse nomento
      Me faz penetrar
      Por toda nossa amizade
      Clarescendo a verdade
      Sem medo de agir
      Em nossa intimidade
      Você vai me ouvir

      Foi bem cedo na vida que eu procurei
      Encontrar novos rumos num mundo melhor
      Com você fique certo que jamais falhei
      Pois ganhei muita força tornando maior
      A Amizade…
      Nem mesmo a força do tempo irá destruir
      Somos verdade…
      Nem mesmo este samba de amor pode nos resumir

      Quero chorar o seu choro
      Quero sorrir seu sorriso
      Valeu por você existir amigo

    4. Brasil Nagô

      (Cleber Augusto, Djalma Falção e Mário Sérgio; voz: Fundo de Quintal)

      Se mandarem me chamar eu vou
      Sou brasileiro sou nação Nagô
      Sou do sul sou do nordeste, chimarrão, cabra da peste
      Sou valente eu sou paz e amor
      Levo a vida do jeito que for
      Alegria riso choro e dor
      Eu sou branco eu sou negro viro o mundo pelo avesso
      Tenho os pés no chão sou sonhador

      Vou à procissão do santo padre
      Saio da igreja entro nos bares
      Sob a proteção dos sete mares
      Peço axé ao meu babalaô
      Piano pandeiro ou viola baião rock samba nem dou bola
      Tanto faz cachaça ou coca-cola
      Se mandarem me chamar eu tô

    5. Deixa estar

      (Cleber Augusto; voz: Dudu Nobre)

      Deixe estar pois é sempre assim
      Você vive a procurar por mim
      Eu que vivo a me preocupar pra dizer
      Toda vida foi ilusão
      As lindas noites foram pra encantar
      Já era de reconhecer pra dizer

      Parei com o sonho
      Pois me vejo ao acordar tentando encontrar a paz
      Mas deixa estar enquanto é tempo
      Eu sinto agora em bom momento
      É hora de reflexão
      São tantas coisas que eu pude perceber
      Tudo que você me fez
      Hoje quero sorrir não acho graça
      Saudade é coisa que passa
      Quando se tenta esquecer
      Toda vida foi ilusão
      Com estrelas de imitação
      Já era hora de reconhecer pra dizer

    6. Fera no cio

      (Bicudo, Cleber Augusto, Djalma Falcão e Jorginho Chinna; voz: Fundo de Quintal)

      Bem que eu te avisei, viu
      Foi bom esperar
      Pra que tanta pressa se o rio
      No final desagua no mar
      Não há mais segredos, o medo fugiu
      Depois das águas de março
      Vem o sol de abril

      Bem que eu te avisei, viu
      Pra não desesperar
      A paixão é fera no cio
      Não escolhe tempo ou lugar
      Agora, nosso caso
      Já pode vazar
      Não vou mais embora,
      É hora da gente se amar

      Somente o coração
      Tem forças pra desafiar
      (Coisas do amor)
      A água, o fogo, a terra e o ar
      (É bom sonhar)
      Transformando em sonho
      A saudade, o sorriso, a dor
      O sol já se pôs
      (Vem que eu quero te abraçar)
      A lua é de nós dois,
      (Nada vai nôs separar)
      E o sol como a vida juntou
      Eu, você e o amor

    7. Atalho

      (Cleber Augusto, Djalma Falção e Jorge Aragão; voz: Luizinho SP)

      Faz um ano ou mais
      Desde o dia que eu perdi o sono, a paz
      Acho até que exagerei
      Amei de mais
      Mas agora, tanto fez ou tanto faz
      Não quero mais, não volto atras
      Agora eu já sei que o tal amor
      Faz sorrir mas também causa dor
      No início é tudo um sonho
      Mas no fim
      É uma voz dizendo assim:
      Adeus, adeus, adeus

      São as trapaças da paixão
      Que trazem o choro e a solidão
      Meu deus eu fico a perguntar
      Se é para tirar pra que é que deu?
      Se não é meu pra que que deu?
      Se era pra depois tirar
      Por isso eu preciso de um ombro amigo (pra repousar)
      Um atalho que leva uma luz a um abrigo (pra descansar)
      Guardar as lembranças que trago comigo (pra sonhar)
      Pois o meu coração diz que amor valeu
      Valeu, valeu, valeu…

    8. Lucidez

      (Cleber Augusto e Jorge Aragão; voz: Beth Carvalho)

      Por favor
      Não me olhe assim
      Se não
      For viver só para mim
      Aliás
      Se isto aconteceu
      Tanto faz
      Já me fiz por merecer

      Mas cuidado não vá se entregar
      Nosso caso não pode vazar
      É tão bom se querer
      Sem saber como vai terminar
      Onde a lucidez se aninhar
      Pode deixar
      Quando a solidão apertar
      Olhe pro lado
      Olhe pro lado
      Que eu estarei por lá

    9. Quantas canções

      (Cleber Augusto e Djalma Falção; voz: Fundo de Quintal)

      Há quantas canções já fiz para esse amor
      Dizem que sou louco um tolo sonhador
      Canto para alguém que nem se quer vem me escutar
      Os acordes do meu violão passeando em vão pelo salão
      Procurando encontrar teu olhar
      Mas minha voz não vou calar, eu vou cantar
      Mesmo sem meu bem o show vai continuar
      Quem dera que o som da emoção me fizesse voltar

      Mas a voz do coração me diz
      Que o meu sonho ainda vai ser feliz, pois é
      Ei de ver você surgindo na platéia me aplaudindo
      Me sorrindo e até pedindo bis

    10. Nem lá, nem cá

      (Cleber Augusto e Nei Lopes; voz: Fundo de Quintal)

      Eu hoje estou igual
      A esta cerveja deste bar
      Nem gelada, nem quente
      Nem bom, nem doente
      Nem lá, nem cá

      Garçom
      Me traz então um bom traçado igual a mim
      Nem vazio, nem cheio
      A doze meio a meio, assim assim

      Hoje eu sou um laço
      Que não ata e nem desata
      Sou sustenido, sou bemol
      Sou dia que não chove e nem faz sol

      É, hoje eu estou assim
      Eu hoje estou assim
      Nem mal, nem bem
      Nem mau, nem bom
      Feito um samba canção

      À meia luz, num meio tom
      Feito um samba canção
      Nem samba e nem canção

    11. Romance dos astros

      (Bandeira Brasil, Cleber Augusto e Luiz Carlos da Vila; voz: Fundo de Quintal)

      Sonhei que um dia
      O astro rei à terra descia
      Secava as águas do mar e não mais anoitecia
      Só voltava a chover à noite e as estrelas
      Se a lua fosse a sua companheira

      Irredutivelmente ela dizia não
      E saturno em vão ofereceu anéis
      Ela nem ligava para a estrela dalva
      Nem ouvia a súplica dos menestréis

      E o sol ficava mais e mais abrasador
      Cego de amor, aí eu me queimei
      No auge da trama eu caí da cama
      O galo cantou, feliz eu acordei

    12. Guadalupe e Sulacap

      (Cleber Augusto e Nei Lopes; voz: Fundo de Quintal)

      Guadalupe morava em Sulacap
      Lá morava o Cabo Sula
      Que queria ser um dia capitão
      Cabo Sula com o seu rosto de bode
      Era o tantan dos pagodes
      E era o bambambam da fundação
      Mais um dia em pleno Cacique
      Ouvindo o repique, Guadalupe se baratinou
      Ao som do banjo de Almir Guinéto carente de afeto
      Pelo Ubirany se apaixonou

      Guadalupe com aquele ar lindinho
      Dizia um pagodinho no ouvido do seu novo amor
      Cabo Sula quando viu a fita
      Passou a Chiquita na certa o sombrinha e sereno ficou
      Mas na hora que escutou os versos
      Num pagode em Bonsucesso
      E todo seu balé
      Cabo Sula deu um tremilique
      E entrou no cacique ele e seu pajé
      E saiu pela rua gritando
      Eu não sou um qualquer
      Eu não sou um qualquer

    13. Divina luz

      (Cleber Augusto, Mauro Diniz e Sereno; voz: Fundo de Quintal)

      Clareou
      No terreiro as cabrochas sambando, clareou
      Quem gritou
      Vai correndo buscar a viola meu sinhô
      Se formou
      Toda roda batendo nas palmas aclamou
      Esquentou
      Na panela a comida salgando temperou
      E buscou
      Na memória aquela história que escutou
      Se lembrou
      Todo o tempo em que teve sua glória, mas passou
      Se alegrou
      Quando viu sua vida colhida quando amou
      Se inspirou
      Cada instante naquele romance que marcou
      Nem notou
      No momento a passagem do tempo que voou
      Se cansou
      Pelos moldes daqueles acordes que tocou
      Clareou
      No pagode em terreiro de bamba
      Pois pediu pra cantar mais um samba
      Assim que o dia raiou

    14. Timidez

      (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; voz: Fundo de Quintal)

      É esse brilho em seu olhar
      Me querendo perguntar
      O que vai acontecer
      É pois é, só você pode explicar
      Onde anda o meu olhar
      É tão fácil perceber
      Me mande um aviso
      Me diz com sorriso
      Se ainda é preciso, disfarçar, será?
      Tanto faz ou tanto fez
      Esbarrei na timidez
      Tropecei na luz do nosso olhar
      Me mande um aviso
      Me diz com sorriso
      Se eu posso de um sonho despertar

      Será que o amor aconteceu
      Será que é sonho meu
      Será que o amor se deu
      Brilha pra mim…

    15. Falso herói

      (Bicudo, Cleber Augusto e Djalma Falção; voz: Fundo de Quintal)

      Eu já não poderia viver
      Outra desilusão e ver
      Ver mais uma paixão, morrer
      Outra vez dar sem receber

      Eu já não poderia viver
      Outra desilusão e ver
      Ver mais uma paixão, morrer
      Outra vez dar sem receber

      Mais um ponto final
      Fim de mais uma história
      De que vale me achar
      Pra depois me perder
      Meu amor falso herói
      Leva fama sem glória
      O que os olhos enxergam
      O coração não vê
      Não vê talvez por ter medo da dor
      Coração teu mal é mal de amor
      Eu não quero outro beijo mal dado
      Esse amargo sabor
      Não vou mais me perder em seus braços, abraços
      De quem não me quis
      Assim como eu já fiz
      Por que isso não é ser feliz